Pages Menu
Facebook
Categories Menu

Posted on 01/02/15 in Palavra do Presidente

Tempos Difíceis

Em meados de janeiro, o Governo anunciou oficialmente o aumento de quatro impostos para, de acordo com suas justificativas, equilibrar as contas do país. Essas medidas, segundo o nosso Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, fazem parte de um trabalho gradual de equilíbrio fiscal. Acredito que, ao optar por esse caminho, o Poder Público entrega que o principal problema responsável pelo atual desequilíbrio econômico do país – em outras palavras, o custo do Estado – não vem sendo considerado por nossas políticas econômicas já há algum tempo.

Esse foi o segundo anúncio oficial de medidas de ajustes. Ele determina a elevação da carga tributária no Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros (IOF), 1,5% para 3% sobre as operações de crédito ao consumidor de até 365 dias; no Pis/Cofins sobre a gasolina, que chega agora aos R$ 0,22 por litro e, sobre o Diesel, acrescido em R$ 0,15, junto com a retomada da Cide  sobre os combustíveis; aumento da alíquota do Pis/Cofins sobre a importação, de 9,25% para 11,75%; e maior IPI para os atacadistas do setor de cosméticos, que pagarão alíquota equivalente aos industriais.

Os dados acima foram extraídos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), entidade a qual somos todos filiados. Com base em todas essas informações, alerto o leitor para o seguinte: o aumento desses quatro impostos impactará sobremaneira em nossa inflação e, por consequência, comprometerá ainda mais o já tão afetado setor do comércio. Afinal, como projetar avanços se tudo o que o Governo faz é nos puxar para trás com mais carga tributária?

Tudo indica que essas alterações acabem levando a uma elevação nos custos de produção e preços finais de uma gama considerável de produtos no varejo. Isso, somado ao encarecimento do crédito e à elevação dos juros no país, nos indica, no mínimo, meses difíceis pela frente.

Estejamos preparados para esse novo – e infeliz – quadro, portanto.

Ruy Pedro de Moraes Nazarian

Presidente do Sindilojas-SP